quinta-feira, 27 de julho de 2017

Não vamos desistir de lutar por nossos direitos: preparar um dia de lutas em 2 de agosto!

O jornal O Estado de S.Paulo publicou uma matéria no último domingo (23) com o seguinte título: “Empresas fazem intensivão para entender reforma”. O texto relata que os departamentos de Recursos Humanos das empresas estão correndo para tirar dúvidas, junto a consultores jurídicos, sobre as mudanças feitas pela Reforma Trabalhista.

Alguns dos principais questionamentos têm a ver com a implementação de medidas como demissão por acordo, alteração de jornada, banco de horas, divisão de férias, entre outros. Ou seja, a patronal já está se preparando a todo o vapor para arrancar o couro dos trabalhadores e garantir mais lucros. 
A Reforma Trabalhista entrará em vigor a partir do mês de novembro. São mais de 100 modificações na CLT (Consolidação das Leis do Trabalho), que alteram profundamente a legislação trabalhista, abrindo espaço para todo o tipo de abusos por parte da patronal.

E os ataques não param. Esse governo e Congresso, atolados em esquemas de corrupção, a serviço de empreiteiras e grandes empresas, querem dar continuidade ainda neste segundo semestre à tramitação de outro grave ataque aos trabalhadores: a Reforma da Previdência.

Paralelamente, está a todo vapor a articulação de Temer para se livrar do pedido de abertura do processo contra ele por corrupção passiva.  A votação na Câmara dos Deputados está prevista para o dia 2 de agosto e um grande acordão está em discussão entre a maioria dos partidos para livrar o corrupto presidente de ser processado.

Não desistiremos, é preciso barrar as reformas e derrubar Temer.

A CSP-Conlutas faz um chamado às centrais sindicais para que mantenham a unidade e retomem a mobilização nas ruas para barrar a Reforma da Previdência e revogar as que já foram aprovadas. É necessário convocar um calendário de lutas e construir pela base das categorias em todo o país uma nova Greve Geral.

A SEN (Secretaria Executiva Nacional) da CSP-Conlutas orienta que nos mantenhamos organizados na luta. Os sindicatos filiados devem realizar assembleias, plenárias, reuniões de comitês e outras atividades para debater a luta contra o governo, a resistência à implementação da Reforma Trabalhista e a retomada das mobilizações contra a Reforma da Previdência.

No dia 2 de agosto a orientação é que sejam realizadas manifestações, atos, protestos, panfletagens e outras atividades devido à votação na Câmara Federal da denúncia contra Temer. Este dia de luta deverá ser vinculado à luta contra as reformas e ajustes do governo.

Também é importante buscar iniciativas que promovam a unificação das campanhas salariais do segundo semestre, quando teremos importantes categorias nacionais em luta como petroleiros, metalúrgicos, bancários e trabalhadores dos Correios.

Pela revogação da lei da Terceirização e da Reforma Trabalhista!
Não à Reforma da Previdência!
Por uma nova Greve Geral!
Fora Temer e todos os corruptos!

Fonte: CSP-Conlutas

terça-feira, 25 de julho de 2017

Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha

Neste dia 25 de julho, data internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, celebra-se também o dia da líder quilombola Tereza de Benguela. A celebração teve início no 1º Encontro de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas, e com a criação da Rede de Mulheres Afro-latino-americanas e Afro-caribenhas. Desde 2014, o dia de Tereza de Benguela* é celebrado no Brasil e compõe o calendário de lutas dos movimentos negros e de resistências dessas mulheres no combate ao racismo.

A data deve servir para denunciar toda a violência, estigmatização, invisibilidade e racismo a que são submetidas as mulheres negras ao longo da história. As consequências desses atos tem as condicionado a trabalhos semi-escravistas, baixos salários, desemprego, racismo institucional e prostituição. Os trabalhos domésticos, terceirizados, temporários e sem garantias trabalhistas também estão entre os destinos mais comuns dessa parcela da população.

Tratadas como mercadoria, os corpos das mulheres negras são exterminados, violentados, assassinados, estuprados. A dor do racismo nas mulheres é sentida na carne. Números do Mapa da Violência de 2015, apontam que entre 2003 e 2013, aumentou em 54,2% o número de assassinatos de mulheres negras, para cerca de 9,8% de diminuição para as mulheres brancas. Com as recentes reformas do governo Temer (PMDB), as mulheres negras são ainda mais prejudicadas e sujeitas a péssimas condições de vida.

Organizar a luta das mulheres negras latino-americanas e caribenhas e em todos os países é urgente. A exemplo de Tereza de Benguela, milhões de mulheres negras em todo o mundo resistem às opressões, ao sofrimento e à desigualdade. Elas mostram sua força e capacidade de luta. São mães, filhas, lgbts, trabalhadoras, jovens, idosas. Mulheres que enfrentam diariamente o desafio de ser mulher negra num mundo tão opressor.

Derrotar as reformas, o racismo, a desigualdade social, o desemprego e o subemprego, e a falta de oportunidade!

Aquilombar os espaços e os instrumentos de luta!

Basta ao feminicídio!

Contra a criminalização!

Pela emancipação das mulheres negras!

Pela libertação da classe trabalhadora!


*Tereza foi uma heroína negra, que viveu no Mato Grosso, sendo líder do Quilombo de Quariterê. Sua morte é datada do ano de 1770, após ser capturada por soldados. Alguns apontam a causa como execução, doença ou suicídio. 




segunda-feira, 24 de julho de 2017

Crise no IPMT e o desmonte dos serviços públicos em Teresina

O SINDSERM tem recebido de inúmeras(os) servidoras(es), relatos sobre as deficiências em atendimentos pelo plano de saúde municipal através do Instituto de Previdência do Município de Teresina (IPMT). São procedimentos negados e o contribuinte, que já tem mensalmente o valor do plano descontado no contracheque, muitas vezes necessita pagar para que seja efetivado o serviço de saúde que necessitar. Na quarta-feira, dia 26, às 10h, haverá uma reunião na sede do IPMT para tratar de demandas urgentes. É fundamental que a base se agregue neste processo para lutar por um plano com qualidade.

No meio dessa problemática, a prefeitura de Teresina não apresenta o reajuste anual da categoria que acompanha seu poder econômico cada vez mais comprometido, acumulando perdas de 43,25% nos salários, segundo cálculos apontados por uma economista contratada pelo Sindicato. Nesta segunda-feira (24) um fato novo se inicia em relação ao IPMT com a paralisação realizada pelo Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (Simepi) que deverá seguir por uma semana. São pautados reajustes nos procedimentos.

Mas a pergunta que fica é: para onde está indo o dinheiro da(o) servidora(or) pública(o) municipal de Teresina? As(os) milhares de segurados e dependentes do plano se vêm ameaçados constantemente e muitos chegam a migrar para os planos privados. Para o SINDSERM, essa atitude é provocada por uma série de ações de desmonte do serviço público, não ofertando qualidade e fazendo com que a categoria procure planos privados, muito mais caros e sem o custo-benefício desejado, beneficiando o empresariado do setor.

A luta por um IPMT decente é o que nos une nesse momento. A base do SINDSERM deve estar com a direção nas negociações que serão realizadas, oferecendo informações sobre os casos ocorridos e participando ativamente dos espaços convocados e de interesse da categoria. Não acabem com o IPMT! Respeito ao serviço público municipal!


sexta-feira, 21 de julho de 2017

SINDSERM participa de reunião com representantes do SINDESPI

Na manhã desta sexta-feira, 21, diretores do Sindicato das(os) Servidoras(es) Públicas(os) Municipais (SINDSERM) de Teresina participaram de reunião na sede do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde do Estado do Piauí (SINDESPI).

Na reunião estiveram presentes a assessoria política e a presidente do SINDESPI, Edna Martins, que juntos com a categoria dos servidores municipais e estaduais da saúde discutiram sobre o processo administrativo de funcionários que continuam recebendo remuneração, do antigo cargo de atendente de enfermagem sendo técnicos, abaixo de uma função extinta.


“Temos que fortalecer a união entre os nossos sindicatos e irmos juntos a luta. Aproveito para convidar vocês para irmos à reunião com o presidente da Fundação Municipal de Saúde, Sílvio Mendes, no dia 27, para tratar de questões que interessam a categoria trabalhadora”, disse Anselmo Pinheiro, diretor de assuntos jurídicos do SINDSERM.






terça-feira, 18 de julho de 2017

Julgamento de Firmino Filho (PSDB) acontece dia 20 de julho, quinta-feira

O SINDSERM irá distribuir 100 camisetas disponíveis para quem desejar comparecer na Sessão de Julgamento do prefeito Firmino Filho (PSDB) a respeito das operações na conta do Fundef. As(os) interessadas(os) podem receber a camiseta nesta quarta-feira (19) pela manhã. Se desejar, entre em contato pelos telefones!
A Sessão no TCE-PI, localizado no Centro Administrativo, acontecerá na quinta-feira (20), às 9h.






terça-feira, 11 de julho de 2017

Firmino desafia a Justiça

Na última sessão do Pleno do TCE era perceptível o ar de deboche, por parte dos(as) representantes do Prefeito Firmino Filho(PSDB). A Procuradora Geral do Município, Georgia Nunes, e o Secretário de Governo, Charles Silveira, tiveram uma postura autoritária e sutilmente desdenhosa ao questionarem que um conselheiro tivesse a audácia de proferir uma decisão monocrática de bloquear a Conta do Precatório do FUNDEF, emitindo uma cautelar. 

Encastelados no poder há décadas, pareciam não se importar com a gravidade do caso em julgamento. Ledo engano. A denúncia bem fundamentada do SINDSERM, encontrando guarida em manifestações de Conselheiros que votaram pelo bloqueio; o acertado pedido de suspeição de influente membro daquela corte e a inspeção aprovada por unanimidade, para averiguação da aplicação dos recursos; representaram uma histórica e importante vitória do movimento sindical, embora ainda parcial. 

O SINDSERM vem acompanhando a investigação que vem sendo feita por sérios e qualificados profissionais e que estão revelando inúmeras ilegalidades e irregularidades na movimentação da conta por parte dos poderosos gestores municipais.

Demonstrando indiferença e até desprezo pela legalidade que tanto já exaltou, Firmino assume publicamente que não cumprirá a determinação constitucional de proceder à revisão geral anual de salários dos(as) servidores(as) municipais. É um recado direto ao TCE, de que também não está preocupado com o julgamento da ação de improbidade administrativa a que responde.

O Brasil atravessa uma conjuntura em que a degeneração moral explícita das autoridades e lideranças requer um salto qualitativo indispensável para que possamos chegar a um momento politico superior.
A luta de classes cumpre papel fundamental, quando impulsiona explorados a se insurgirem contra exploradores e sem ela não seria possível avançar. Tais disputas se materializam na ação direta e, por vezes, na disputa acirrada nos espaços institucionais, como a que se apresenta no momento e requer a participação dos movimentos sociais que lutam diariamente por justiça. 

Estamos tendo a oportunidade de fazer justiça em relação às atitudes do ocupante do cargo mais cobiçado no Estado do Piauí. Aqui não se trata de uma questão restrita a uma pauta sindical. Os movimentos sociais precisam compreender a dimensão deste processo e participar ativamente.
Aos/às julgadores/as cabe a decisão de como pretendem entrar para a história. 

O SINDSERM luta e acredita que avançaremos e convocará amplamente para a próxima sessão.
Que cada um(a) faça a sua parte e que a justiça seja feita!

segunda-feira, 10 de julho de 2017

Cobertura fotográfica do Arraiá Culturá - Laborarthe julho



















NA IMPRENSA | A charge de JOTA A, no jornal O Dia do final de semana, ilustrando as declarações de Firmino Filho (PSDB) que concede IPTU à grandes empresas, não explica para onde foi o dinheiro do FUNDEF e não concede o reajuste anual das(os) servidoras(es). Não podemos pagar por nenhuma crise! Cadê o dinheiro das(os) servidoras(es)??


terça-feira, 4 de julho de 2017

SINDSERM participa de reunião com servidoras(es) do SAMU

Na manhã desta terça-feira, 04, diretoras(es) do Sindicato das(os) Servidoras(es) Públicas(os) Municipais de Teresina (SINDSERM) participaram da reunião com funcionárias(os) do Serviço de Atendimento em Móvel em Urgência (SAMU) de Teresina.

Na reunião estavam presentes trabalhadoras(es) da categoria, líderes dos pontos de apoio do SAMU, além da diretora geral, Francisca Amorim. No espaço discutiram questões de melhorias em diferentes locais da cidade, onde há o serviço de atendimento.

Dentre as pautas de reivindicação foram discutidos reformas em Unidades de Pronto Atendimento (UPA), locais para ambulâncias, demandas sobre logísticas e divisões de área de abrangência das ambulâncias (delimitando o território do município e do estado) para a retirada de transferências e exames para pacientes, com possibilidade de entrar em vigor no dia 15 de julho, além de zonas e espaços de viabilização para viaturas e acomodações para a categoria.

“Temos deficiência em ver o que de fato é bom para nós servidores municipais, conversei com Silvio Mendes, secretário municipal de Saúde, que garantiu a volta do recurso para o lanche dos funcionários do SAMU, pois, ao sair dos pontos de apoio nenhum sabe a hora que vão voltar, é um sofrimento. O nosso dinheiro está sendo jogado fora em serviços privatizados, como é o caso das lavanderias que são responsáveis pelos materiais dos hospitais”, disse Anselmo Pinheiro, diretor de assuntos jurídicos do SINDSERM.