Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2018

Sob protestos, deputados não conseguem votar “Escola Sem Partido”. É preciso manter a pressão!

Imagem
Numa sessão marcada por protestos e muito bate boca entre deputados, o relatório do projeto “Escola Sem Partido” novamente não foi votado nesta quarta-feira (11). Uma importante vitória ter impedido que esse projeto absurdo tenha sido aprovado.
As três horas de discussões entre os deputados ocorreram sob pressão de vários manifestantes. O presidente da comissão especial, deputado Marcos Rogério (DEM-RO), precisou pedir, diversas vezes, que a plateia não interrompesse os pronunciamentos dos parlamentares.
A Frente Nacional Escola sem Mordaça, formada por várias entidades e da qual a CSP-Conlutas, o SINASEFE e o Andes-SN integram, participou da sessão na comissão especial, para defender a liberdade de expressão contra o obscurantismo na educação. Antes da sessão, os manifestantes fizeram um trabalho de convencimento e pressão junto aos deputados e distribuíram uma carta aberta em defesa da educação democrática. 
A reunião acabou sendo suspensa em razão do início da sessão do Congresso Naci…

10 de agosto será dia nacional de lutas em defesa do emprego, da aposentadoria e contra a Reforma Trabalhista

Imagem
Reunidas na sede do Dieese, em São Paulo, no dia 11 de julho, as centrais sindicais brasileiras discutiram a preparação do Dia Nacional de Lutas em 10 de agosto. A defesa do emprego, da aposentadoria e contra a Reforma Trabalhista foram definidos como os eixos deste dia unificado de mobilização.
A CSP-Conlutas esteve representada na reunião, que também contou com representantes da CUT, Força Sindical, CTB, UGT, Nova Central e Intersindical, além de sindicatos de várias categorias.
Os dirigentes ressaltaram a importância da realização de um dia nacional de lutas, priorizando paralisações e mobilizações nos locais de trabalho, além de atos e manifestações, para discutir com os trabalhadores a necessidade da resistência e luta contra os ataques dos governos e patrões.   
Foi unânime nas falas dos presentes a necessidade de dar um basta ao crescente desemprego no país, à entrega do patrimônio público e ataques aos direitos. No dia em que a nefasta Reforma Trabalhista completa oito meses em v…

Para onde vai o dinheiro da saúde pública de Teresina?

Imagem
Amanhã, dia 5, terá início a Greve da Saúde Municipal, aprovada em Assembleia Geral do SINDSERM. As(os) servidoras(es) da saúde, além dos baixos vencimentos salariais e a falta do reajuste anual de 2017 (comum a toda a categoria), também são obrigadas(os) a tentarem salvar inúmeras vidas em condições precárias de trabalho e sem os insumos básicos em quantidade suficiente.
Mesmo com diversas denúncias de caos na saúde pública de Teresina, a FMS se recusa a receber sindicatos e a greve se torna inevitável. Cinco sindicatos já confirmaram presença na Assembleia que ocorrerá nesta quinta-feira, a partir das 8h, em frente à sede da Fundação.
A retirada da insalubridade de centenas de profissionais, sem nenhum processo administrativo que garanta o direito de defesa, utiliza laudos realizados por uma única pessoa, a partir de respostas de funcionárias(os) a um questionário, sem nenhuma verificação sistemática dos locais de trabalho.
Abaixo, exemplo de um contracheque deste mês de julho já com d…

Projeto da “Escola Sem Partido” será votado na Câmara nesta quarta (4). Não à Lei da Mordaça!

O famigerado projeto “Escola Sem Partido” está na pauta de votação desta quarta-feira (4) da comissão especial criada na Câmara dos Deputados para discutir o assunto.  O texto tramita em caráter conclusivo e, caso aprovado, poderá ser encaminhado diretamente para apreciação do Senado. A medida polêmica já foi considerada inconstitucional em várias decisões judiciais que julgaram a aprovação de leis municipais com o mesmo teor e o MPF (Ministério Público Federal) já pediu à Procuradoria-Geral da República que encaminhe ao STF (Supremo Tribunal Federal) para julgamento.
O projeto altera a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB) para proibir a oferta de disciplinas com conteúdo de “gênero” ou “orientação sexual” em escolas de todo o país. O texto do relator, deputado Flavinho (PSC-SP), chega ao absurdo de estabelecer que em cada sala de aula haja um cartaz com “seis deveres do professor”, entre os quais também está a proibição de usar sua posição para cooptar alunos para qualquer co…