Firmino Filho (PSDB) quer aumento de 13% na passagem de ônibus

Mesmo com um transporte público sucateado, com uma frota muito antiga e com paradas de ônibus sem estrutura, o Conselho Municipal de Transportes Coletivos de Teresina aprovou na semana passada o reajuste da tarifa de ônibus de R$ 2,50 para R$ 2,83, além do aumento da "meia passagem" para estudantes de R$ 1,05 para R$ 1,20. No último sábado, o prefeito Firmino Filho (PSDB), tentando impedir protestos contra o aumento da passagem, anunciou o congelamento da tarifa estudantil, mas ainda não se pronunciou sobre o valor da passagem integral, que deve mesmo ser de R$ 2,83.

O aumento é de mais de 13% e os únicos beneficiados com isso continuam sendo os grandes empresários do transporte coletivo, que usam de uma concessão pública para enriquecer em cima do suor dos trabalhadores. Para se ter uma ideia, o reajuste da tarifa é bem maior que o do salário mínimo, que subiu pouco mais de 10%.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) pelo menos 71% da população piauiense vive com renda mensal de até um salário mínimo. Imagine um trabalhador que vai receber um salário R$ 880,00 a partir deste mês e que precisa pegar pelo menos dois ônibus por dia, para ir e voltar do trabalho. Ele deve gastar, aproximadamente, R$170,00 por mês, apenas com transporte coletivo, o que corresponde a 19,2% da sua renda mensal.

O gasto mensal com transporte coletivo, antes desse novo aumento, já era um grande absurdo. Seguindo o mesmo exemplo acima, pelo menos 17% da renda mensal era gasto com passagens de ônibus, cerca de R$ 150,00 por mês. E olha que estamos falando de um gasto mínimo, de ir e vir ao trabalho, excluindo dessa conta os passeios, visita a familiares e amigos, que deveria ser um direito de todos.

Esse é mais um golpe do Prefeito Firmino Filho aos trabalhadores de Teresina, que a cada dia têm seu direito de ir e vir restringido. Desde 2011, quando mais de 30 mil estudantes e trabalhadores barraram o aumento da tarifa, o SINDSERM Teresina vem denunciado os aumentos sucessivos da passagem de ônibus, por entender que “ir e vir” é um direito constitucional e não deve ser subtraído dos trabalhadores, em detrimento do lucro dos grandes empresários.  

Defendemos a municipalização do transporte coletivo, através da criação de uma empresa pública, gerenciada pelos próprios trabalhadores e usuários do sistema. Assim, todo o lucro que hoje vai para o bolso de meia dúzia de empresário, poderia ser revertido na melhoria do transporte público e no barateamento do preço das tarifas, podendo chegar à tarifa zero.


É hora de ir às ruas! Os trabalhadores não devem pagar pela crise, nem garantir lucros absurdos do empresariado que oferece um péssimo serviço. 

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal o que é o HP?

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!