Assédio moral tem punição: SINDSERM arranca mais uma vitória contra assediadores

Segue vitoriosa a campanha do SINDSERM no Combate ao Assédio Moral. Mais um caso onde nossa assessoria jurídica conseguiu vitória jurídica e punição a assediadores. Qualquer situação de assédio procure a Direção do SINDSERM.

A prática do assédio moral é tão nefasta, que às vezes chega a coincidir com condutas criminosas. É o caso, por exemplo, do que ocorreu com a Professora S.L.P.A, que vinha sofrendo prática de constrangimento ilegal por parte da Diretora da Escola Municipal E.X.P.J. A gestora questionava os atestados médicos apresentados pela professora e ainda incitava que ela tinha problemas mentais, sempre utilizando como justificativa, o fato de a professora ter procurado atendimento psiquiátrico, no ano de 2015. Ao mesmo tempo, não levava em consideração, que a busca por ajuda psiquiátrica foi motivada por problemas causados pela perda de um familiar e também por conta do assédio moral sofrido dentro da escola.

Apesar do assédio sofrido constantemente e do fato de ainda estar em estágio probatório, a Professora não se intimidou e denunciou os fatos, que geraram uma ação criminal. O processo tramitou no Juizado Especial Criminal do Buenos Aires e a Diretora M.F.F.S, temendo ser responsabilizada criminalmente, aceitou transação penal proposta pelo Ministério Público.

De acordo com o que foi convencionado com o MP, a gestora terá que pagar o valor de 1 SALÁRIO MÍNIMO para uma instituição de caridade e não poderá cometer novos ilícitos pelo período de 5 anos, sob pena de não poder receber novamente tal benefício.

Importante ressaltar que na ocasião, a Promotora Maria Odete Soares enfatizou que, embora a legislação fale que a gestora não pode cometer novos crimes por um período de 5 anos, sob pena de não poder ser beneficiado com a transação penal, o constrangimento emplacado não deve ser repetido nunca, uma vez que essa é prática abominada pelo ordenamento jurídico.

A assessoria jurídica do SINDSERM, que acompanha o caso desde o início, advertiu a Professora S.L.P.A. de que a mesma tinha direito à reparação cível pelos danos morais que lhe foram causados. Todavia, ela preferiu não andar com esse processo, uma vez que seu intuito não era a reparação financeira, mas sim a punição pelo constrangimento que foi obrigada a suportar no seu local de trabalho.

Além do processo criminal, foi ainda formulada denúncia para a SEMEC, a qual instaurou Sindicância interna para apurar o caso e outras práticas cometidas pela Diretora. O processo segue em análise e a assessoria jurídica do SINDSERM vai continuar exigindo responsabilização da Diretora.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

Afinal o que é o HP?

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!