Crise no IPMT e o desmonte dos serviços públicos em Teresina

O SINDSERM tem recebido de inúmeras(os) servidoras(es), relatos sobre as deficiências em atendimentos pelo plano de saúde municipal através do Instituto de Previdência do Município de Teresina (IPMT). São procedimentos negados e o contribuinte, que já tem mensalmente o valor do plano descontado no contracheque, muitas vezes necessita pagar para que seja efetivado o serviço de saúde que necessitar. Na quarta-feira, dia 26, às 10h, haverá uma reunião na sede do IPMT para tratar de demandas urgentes. É fundamental que a base se agregue neste processo para lutar por um plano com qualidade.

No meio dessa problemática, a prefeitura de Teresina não apresenta o reajuste anual da categoria que acompanha seu poder econômico cada vez mais comprometido, acumulando perdas de 43,25% nos salários, segundo cálculos apontados por uma economista contratada pelo Sindicato. Nesta segunda-feira (24) um fato novo se inicia em relação ao IPMT com a paralisação realizada pelo Sindicato dos Médicos do Estado do Piauí (Simepi) que deverá seguir por uma semana. São pautados reajustes nos procedimentos.

Mas a pergunta que fica é: para onde está indo o dinheiro da(o) servidora(or) pública(o) municipal de Teresina? As(os) milhares de segurados e dependentes do plano se vêm ameaçados constantemente e muitos chegam a migrar para os planos privados. Para o SINDSERM, essa atitude é provocada por uma série de ações de desmonte do serviço público, não ofertando qualidade e fazendo com que a categoria procure planos privados, muito mais caros e sem o custo-benefício desejado, beneficiando o empresariado do setor.

A luta por um IPMT decente é o que nos une nesse momento. A base do SINDSERM deve estar com a direção nas negociações que serão realizadas, oferecendo informações sobre os casos ocorridos e participando ativamente dos espaços convocados e de interesse da categoria. Não acabem com o IPMT! Respeito ao serviço público municipal!


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

Afinal o que é o HP?

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!