Pessoal vamos ler esse texto do Francisco Cavalcante para reforçar nossa organização enquanto classe.



Texto para reforça a luta de classes


 Todos sabemos, pela própria experiência cotidiana,que nossa sociedade está repleta de contradições;que quando uns vivem muito bem,desfrutando de todo luxo e mordomias ,os outros não têm se quer a alimentação básica diária;e que esta divisão econômica e social acaba por afetar todos os ramos da vida:a justiça,o lazer,o acesso à cultura,etc. Muito embora os patrões e o governo ,com auxílio de seus ideólogos ,de sua propaganda e da igreja,tentem nos fazer crer que “somos todos iguais “ e “temos todos os mesmos direitos”,a simples observação da vida em torno de nós revela que isto não passa de farsa. A sociedade não está composta por “irmãos” com ‘direitos iguais”,mas sim por grupos de homens com diferentes aspirações ,grupos que travam entre si constantes combates em defesa de seus interesses específicos:são as classes sociais.

Segundo Lênin,chamamos ‘classes sociais aos grupos de homens que se diferenciam entre si pelo lugar que ocupam num sistema historicamente definido de produção social ,pela sua relação (a maior parte das vezes fixada e consagrada pelas leis) com os meios de produção ,pelo seu papel na organização social do trabalho e,portanto pelos modos de obtenção pela importância  da parte das riquezas sociais de que dispõem “(Escritos,t 29,p.425). Assim ,as diferentes aspirações dessas classes nascem dos diferentes lugares que elas ocupam no processo produtivo ,na produção e distribuição dos bens materiais . È a propriedade privada dos meios de produção (as máquinas ,as terras,as fábricas,etc.) e dos meios de troca (bancos ,as companhias financeiras,o comércio,etc.) que constitui a base econômica ( e portanto material) dessa divisão de nossa sociedade e classes. È desta fonte que decorre o fato de certa classes serem dominantes e outras dominadas ,umas exploradoras e outras exploradas . Todas as demais diferenças entre as classes se originam de uma primeira diferenciação fundamental: a situação de cada uma delas em relação aos meios de produção e troca.

 Em todas as sociedades organizadas a partir de relações de exploração apresentam-se dois grupos sociais antagônicos ou classes fundamentais: escravos e amos, servos e senhores feudais, operários e patrões. No modo de produção capitalista sob o qual vivemos, as classes antagônicas ou principais são burguesia e a classe operária (ou classe proletária). A burguesia é a proprietária dos meios de produção e de troca, enquanto a classe operária somente possui sua energia para trabalhar, sua força de trabalho, a qual é obrigada a vender aos patrões em troca de salário. Mas entre burguesia e a classe operaria não há um vácuo. Como as sociedades de classes que antecederam, na sociedade burguesa também existiu outras classes ou frações de classes, que se movem entre as duas classes fundamentais, oscilando entre uma e outra.

 Entre burguesia e a classe operária há uma pequena-burguesia ou “classe média”,um setor muito numeroso que abrange desde o dono de uma pequena oficina ,de um armazém,o camponês, o pequeno produtor,até setores super-explorados... ao contrario da burguesia e da classe operária há que têm papéis  diretos iguais na produção social ,dentro da pequena _burguesia se misturam múltiplas papéis ; não é ,portanto ,uma classe política e socialmente homogenia. Enquanto constituída por proprietários privados a pequena burguesia aproxima-se da burguesia, e enquanto representante de camadas sociais que vivem de seu trabalho e são explorados pela grande burguesia, liga-se aos operários. È esta situação ambígua que explica a posição hesitante da pequena-burguesia na luta de classes.

Na luta pelo fim da exploração capitalista, a classe operária sob direção do partido comunista revolucionários dos trabalhadores (marxista-revolucionário)- luta para ganhar a hegemonia política sobre os mais amplos setores das massas exploradas –não apenas operárias,mas também a pequena-burguesia urbana e rural,que compõem a maioria absoluta da população do país -,ganhando-as para as tarefas revolucionárias.

A luta da esmagadora maioria da humanidade contra os seus opressores começou desde o aparecimento das classes, com o advento do escravismo. A resistência dos trabalhadores á opressão e á exploração representam a grande força motriz da historia. A  historia da sociedade capitalista é história de uma luta encarniçada entre proletários e burgueses. A implacável exploração dos países coloniais e dependentes pelos imperialistas pôs em movimento uma poderosa vaga de lutas antiimperialistas e de libertação nacional.

 A luta de classes, ou seja , o confronto (aberto ou dissimulado) que se produz entre as classes antagônicas( em favor de seus interesses enquanto classe),se revestiu de diferentes formas e atingiu graus diferentes no desenvolvimento  histórico da sociedade. O marxismo parte do principio de que não se pode sequer descrever a vida social e suas mudanças através da história sem levar em conta as contradições antagônicas entre explorados e exploradores, já que “a história de todas as sociedades até nossos dias não foi senão a historia da luta de classes”. (Marx e Engels “Manifesto comunista”). Esta tese, formulada pelos fundadores do socialismo científico em 1848, constitui a base da concepção materialista da história.
 A luta de classes provém de uma forma de produção (a produção baseada na exploração do homem pelo homem) que divide a sociedade em grupos opostos, antagônicos; e destes  um realiza o processo concreto de produção (o escravo,o servo,o operário assalariado), enquanto o outro (o proprietário de escravos, o senhor feudal,o patrão assalariado),usufrui de uma parte do produto sem Ter de trabalhar para produzir .

A luta econômica, a luta ideológica e a luta política são formas assumidas pela luta de classes, que, embora com o mesmo sentido, apresentam-na de maneiras distintas. A luta econômica é o confronto que se produz entre as classes antagônicas no nível da estrutura econômica da sociedade, ou como define Lênin “é a luta coletiva dos operários contra patrões a fim de conseguir condições vantajosas de venda de sua força de trabalho , melhorar as condições de vida e de trabalho dos operários “ (Que Fazer). A luta ideológica é travada entre a ideologia burguesa e todas as suas manifestações, e a ideologia proletária, cientificamente elaborada, baseada na teoria marxista. A luta política é o ataque frontal que se produz entre classes em sua luta pelo poder político, Istoé, em luta por apodera-se do Estado. Estas diferentes formas de conflitos não existem, todavia,separados uns dos outros,mas fundidos em uma unidade que constitui a luta de classes propriamente dita,cujo aspecto culminante é a revolução social.

Iniciação ao Marxismo- Cadernos do Marxismo Revolucionário,escrito por Francisco Cavalcante).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal o que é o HP?

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!