SINDSERM acompanha processos arbitrários de remoção de professores da Valter Alencar

Sem diálogo, a prefeitura quer remover professores, empurrando uma reforma educacional sem legitimidade e aprovação dos professores e da comunidade 

Nessa segunda-feira, dia 12 de dezembro, a diretoria e a assessoria jurídica do SINDSERM estiveram presentes com um grupo de professoras em audiência com a promotora Leda Diniz, do Ministério Público. A audiência é resultado de denúncias de arbitrariedade da Secretaria Municipal de Educação ao encaminhar, sem diálogo com a escola e a comunidade, a remoção de oito professoras da U. E. Valter Alencar, no bairro Planalto Uruguai.

A proposta da prefeitura é extinguir as turmas do 1º ao 5º ano na escola e remover cerca de oito professoras para a unidade educacional Camilo Filho, no Planalto Uruguai. O processo não foi acordado com as servidoras municipais e nem com a comunidade escolar. A secretaria de Educação também não apresentou nenhuma proposta técnica para a remoção das docentes.

“A escola para onde as crianças de 1º ao 5º ano e corpo docente  seriam removidas não tem refeitório, quadra coberta. A estrutura da escola é acidentada o que dificulta a permanência das crianças além dos riscos de acidente”, não possui banheiros adequados e estrutura, enfim não há condições  para a implantação do Tempo Integral. afirma Letícia Campos, servidora municipal e presidente do SINDSEM.. Para os pais e professores, mesmo com algumas adaptações a Camilo Filho fica isolada e não tem transporte próximo. Com a remoção, eles ainda temem que não haja vagas suficientes para as crianças e que por isso elas seriam remanejadas para escolas ainda mais distantes.

O SINDSERM está acompanhando os processos e conta com a colaboração de toda a categoria, principalmente dos servidores da educação, para barrar as medidas arbitrárias da prefeitura e defender as comunidades escolares da nossa cidade, na zona urbana e rural. O sindicato está aberto a denúncias e oferece a sua assessoria jurídica para orientações, judicialização e acompanhamento de assédios e medidas forçadas vindas da prefeitura e de seus cargos administrativos.

Os processos de remoção nas escolas fazem parte da reforma educacional proposta pela gestão do município, com a justificativa do chamado tempo integral. O secretário Montezuma alega que a reforma vai beneficiar servidores e alunos, mas o que está sendo imposto é um processo de superlotação de salas e fechamento de unidades de educação. 

Assembleia Geral
Diante dos desafios que seguem em 2017 com a reeleição de Firmino e da gestão do PSDB somados aos ataques nacionais de Temer e do Congresso, o SINDSERM já prepara espaços de organização e deliberação de ações. O sindicato convoca toda a categoria para a assembleia geral no dia 06 de fevereiro, às 8h, no Teatro de Arena da Praça da Bandeira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

Afinal o que é o HP?

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!