SINDSERM-TERESINA TEM NOVA DIRETORIA

fonte: http://dclasse.webnode.pt/news/sindserm-teresina-tem-nova-diretoria (postado em 29/01)


Ação Direta para enfrentar os governos, em particular o municipal,  é uma das prioridades, segundo o presidente eleito Francisco Sinésio Costa Soares

 Por Carlos Mascarenhas

 A eleição para a direção do Sindserm-Sindicato dos Servidores Públicos Municipais de Teresina aconteceu no dia 14/12/2010, onde a Chapa BASE EM AÇÃO-OPOSIÇÃO UNIFICADAfoi a vencedora, obtendo 670 votos contra 381 da chapa pelega aliada da prefeitura. A nova diretoria tomou posse no dia 7 de janeiro último, às 21 horas, no clube do Marquês e contou com a participação dos servidores que lá estiveram para prestigiá-la.
Francisco Sinésio Costa Soares, 47, presidente eleito, informa que o Sindserm, desde sua fundação em 1989, já nascera nos braços da prefeitura de Teresina. Foi necessária uma grande organização para recuperá-lo para sua legítima tarefa, que é lutar em prol dos servidores municipais. Acrescenta inclusive que esse intento já havia sido alcançado por duas vezes anteriormente, e durante seis anos o sindicato esteve ao lado da classe trabalhadora. No entanto, devido a uma divisão que ocorreu na direção, “a gente perdeu para os governistas, pessoal ligado ao PSDB”.
Sinésio conta que durante os 3 últimos anos esteve na oposição organizando o Movimento Base em Ação, no sentido de resgatar o sindicato para as lutas dos servidores municipais e conseguiu com relativa facilidade do ponto de vista numérico. “63% é um percentual interessante, mas do ponto de vista prático foi difícil derrotar a estrutura da prefeitura. Tivemos que trazer pessoas pra trabalhar voluntariamente, o que em dias de hoje não é tão fácil. Mas a gente se surpreendeu. A classe trabalhadora é fenomenal, quando a gente menos espera ela aparece, então é uma coisa de arrepiar”.
No dia da eleição veio o movimento estudantil, sindical e popular; pessoas que antes tinham acesso ao sindicato se engajarem, trabalhando para recuperar o Sindserm e este voltar para as lutas; destaque especial para CSP-Conlutas, Assembléia Nacional dos Estudantes Livre-ANEL, a Juventude do PSTU, PCO, PSOL e alguns militantes do PCB. “Então foi um resgate interessante para a esquerda do município e do estado ter essa estrutura, que hoje tem 4.800 filiados, o que representa 16 mil servidores municipais”, disse Sinésio.
PERDAS SALARIAIS – Segundo o IPC-Teresina(Índice de Preço ao Consumidor), beira a casa dos 80%. “É uma perda salarial histórica imposta durante 20 anos pela administração tucana”. Sinésio ressalta que nas campanhas salariais daqui pra frente pretende recuperar, aos poucos, o que foi perdido. Quanto às ações transitadas em julgado, tudo será cobrado usando-se  os métodos da ação direta, “pois os cinco grupos que compõem nossa diretoria tem como prioridade a Ação Direta para enfrentar os governos municipal, estadual e federal, com manifestações, ocupações, greves ... e isso não significa dizer que não vamos negociar com os gestores”.
CRISE ATUAL – O prof Sinésio entende ser um momento de ataque brutal à classe trabalhadora devido à queima de recursos públicos já ocorridos tanto na América do Norte quanto na Europa, pra tentar salvar os grandes bancos. Para o presidente eleito do SINDSERM, numa crise clássica do capitalismo como essa, que se assemelha à de 1929, alguém tem que pagar a conta, e, normalmente, eles querem que sejam os trabalhadores que a paguem. “Neste sentido, o Sindserm coloca-se ao lado de todos os segmentos da classe trabalhadora, e onde estiver luta estaremos avaliando para tentar derrotar os opressores, os gestores, os patrões e os governos que tentarem nos oprimir nesse período de crise”.
 Segundo explica ainda, as condições objetivas hoje os proporcionam uma situação sui generis. Entre os 20 membros da diretoria executiva e os 6 do conselho fiscal não tem nenhum governista, pelego, burocrata, “e isso é importante porque gera uma força que é maior do que nós todos juntos, extrapola os limites dos servidores municipais. Queremos que isso provoque um efeito dominó, que a gente consiga não só em relação aos direitos da categoria, mas também em relação à solidariedade sindical, para, com outras categorias, gerar um movimento inicial que recupere pra outros sindicatos também, com a ajuda das centrais sindicais que não são pelegas,como a CUT, por exemplo, para que possamos nesse momento de crise, ter uma resistência através do movimento que a gente inicia no Estado do Piauí com o Sindserm”, finalizou o professor Sinésio.

Comentários

  1. No ultimo dia 28 de fevereiro de 2011, houve uma assembleia, e nos professores em educacao que nao fomos a assembleia nao temos informacoes sobre os proximo passos a serem seguidos. Notamos tambem que o SITE DO SINTE TA UMA MERDA, NAO ATULIZA NUNCA. OBRIGADO VAI AE UMA DICA. ATUALIZEM O SITE.

    ResponderExcluir
  2. OUTRA COISA, GOSTARIA DE TIRAR UMA DUVIDA, EU SOU PROF DE MATEMATICA E ESTOU DANDO AULA DE MATEMATICA E CIENCIAS, ONTEM RECEBI UMA NOTICIA QUE VOU DA AULA DE RELIGIAO OU EDUCACAO ARTISTICA, NINGUEM MERECE, ISSO PODE? OUTRA COISA ESTOU COM 13 HORAS , [E LEGAL OU TENHO QUE SE SUBMETER OU SEJA OBRIGADO A PEGAR MAIS TRES AULAS, POIS A DIRETORA DE MINHA ESCOLA DISSE QUE VAI COLOCAR MAIS TRES AULAS SENDO RELIGIAO E EDUCACAO ARTISTICA.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

Afinal o que é o HP?

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!