Categoria determina estado de greve e a luta continua contra truculência de Firmino (PSDB)


Na Assembleia Geral desta quarta-feira (30), a categoria de servidoras(es) municipais, filiadas(os) ao SINDSERM, decidiu pela aprovação do estado de greve que deve continuar com a exigência pela negociação das centenas de reivindicações protocoladas junto à Prefeitura de Teresina e pelo pagamento do reajuste de 2017, bem como das mudanças de nível e outras dívidas com as(os) trabalhadoras(es).

As(os) guerreiras(os) que estiveram diariamente, desde o dia 10 de maio, à frente das atividades, do acampamento na frente do Palácio da Cidade, das visitas nos locais de trabalho, na votação na Câmara Municipal e no diálogo constante com as(os) companheiras(os) da base, estão mais fortalecidas(os) para garantir o prosseguimento das lutas em cada setor.

O Sindicato reforça que as reuniões nos locais de trabalho continuarão sistemáticas e, no segundo semestre, retornaremos com mais força, caso Firmino continue com a truculência de não negociar com a categoria. Vamos exigir condições dignas de trabalho, mudança de nível, insalubridade e todos os 105 pontos da pauta de reivindicações que protocolamos.

Comentários

  1. o que falta é um pouco mais de organização por parte do sindicato e união da nossa classe, basta ver os caminhoneiros, todos se uniram e até mesmo os que não queriam aderir foram "forçados" a se unir a causa (claro, antes de começarem com o excesso de violência - o que não podemos aceitar), assim, se nossa classe se unir e fazer à exemplo dos médicos, que quando paralizam todos REALMENTE ADEREM A GREVE iremos ser ouvidos, mas enquanto poucos ouvirem e os poucos que ouvirem ou darem uma de moco ou entrarem em estado catatônico nada vai acontecer. Organizem a classe, dêem tom de seriedade, parem os serviços TODOS, assim não vai restar nada além de que possam ouvir nossas revindicações. Mas para isso é preciso que todos estejam juntos, com um só grito, como um só!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!

Afinal o que é o HP?