Descaso com a saúde pública, assédio moral e péssimas condições de trabalho no Hospital do Satélite

       Nesta segunda-feira, 09 de agosto, diretores do SINDSERM estiveram no Hospital do Satélite para averiguar denúncias de assédio moral e as péssimas condições de trabalho em que se encontra o local. O descaso com a saúde pública, que é uma das características do Prefeito "Fingindo" Filho (PSDB) é facilmente verificável com uma simples visita a esta unidade de saúde.
     Os recursos públicos vem sendo descaradamente desviados para enriquecer empresários da terceirização, que pagam migalhas aos trabalhadores e recebem, desta forma, o retorno do "investimento" na campanha eleitoral do tucano. O SINDSERM já vem denunciando e a própria imprensa já divulgou este descalabro. Enquanto isso, a saúde pública continua um CAOS.

Servidores(as) denunciaram as péssimas condições de trabalho
Assédio Moral é crime!

        A partir das denúncias de assédio moral, repressão e perseguição no Hospital do Satélite, servidores(as) alegaram que a Direção vem se negando a atender às solicitações dos(as) servidores(as), não se dispondo a se reunir com os funcionários e o sindicato para dialogar sobre os inúmeros problemas internos do hospital.

Panfletagem e conversa com as servidoras
Cozinha sem ventilação
          No ano passado o SINDSERM encampou uma campanha contra as atitudes ditatoriais do ex-diretor do Hospital Francisco Passos, que tinha a prática de assédio moral contra os servidores de lá, como política de convivência. A mobilização e as denúncias do sindicato provocoram a exoneração do gestor.

            





O Hospital está totalmente abandonado

Superlotação
       O Hospital do Satélite, que atende a milhares de usuários de diversas localidades está precisando urgentemente de uma reforma. Servidores e usuários estão sofrendo com ausência de condicionadores de ar ou mesmo ventiladores. “Desde fevereiro que estamos trabalhando, eu e mais duas enfermeiras nessa sala minúscula. A administração nos informa apenas que está chegando, mas nunca vem. O que às vezes torna impossível permanecer por muito tempo”, desabafa a enfermeira Mariana Loiola, mostrando a sala minúscula e sem ventilação, que as três enfermeiras têm para trabalhar.

Condicionador de ar quebrado
Além da falta de ventilação adequada não apenas nas salas, mas também no ambulatório, o hospital está com outros inúmeros problemas. São Postos de trabalho com precárias condições de funcionamento, laboratórios sucateados, paredes imundas, cadeiras quebradas, total ausência de acessibilidade par portadores de necessidades especiais e bebedouros para os usuários que aguardam consulta, além de locais de repouso da enfermagem com colchões velhos e sem cobertas. Utilitários como tensiômetros, aspiradores e oxímetros estão sendo improvisados.

Sem acessibilidade
   
Marcação de exames (Usuário tenta "fugir" do sol)
        A Diretora do Hospital, Sabrina Tajra Fortes, recebeu a Direção do SINDSERM  e negou que venha ocorrendo assédio moral. Além disso, a gestora e se comprometeu em realizar reunião com os(as) servidores(as) e a Direção do sindicato. Na oportunidade, serão discutidas cada uma das reivindicações, que serão enviadas  previamente à Direção do Hospital de Satélite.






Material para exame em sala sem refrigeração

Fachada laboratório




SINDSERM, GESTÃO BASE EM AÇÃO, SINDICATO É LUTAR!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal o que é o HP?

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.