Greve da saúde municipal de Teresina é deflagrada por tempo indeterminado; comando de greve já se reuniu nesta tarde

Na segunda feira (06), após a Prefeitura de Teresina descontar dos trabalhadores da saúde municipal o adicional de insalubridade, vários grupos de servidores(as) ocuparam a Fundação Municipal de Saúde e exigiram uma reunião com o Presidente Sílvio Mendes (PP). 
Servidores(as) ocuparam FMS exigindo devolução
O SINDSERM (Gestão SINDSERM de volta para as lutas) apoiou a manifestação e participou da reunião, que contou com a presença de representantes de várias outras entidades sindicais. Na oportunidade, o Presidente da FMS chegou a propor a devolução dos descontos realizados nos contracheques de fevereiro, desde que não pagasse a gratificação de insalubridade nos meses subsequentes. A Comissão considerou a proposta absurda pois, ao propor a devolução, Sílvio assumiu que a medida foi política e não jurídica.


Servidores(as) revoltados(as) com a redução dos salários

Entidades convocaram Assembleia conjunta

Como não houve acordo na reunião da segunda feira, as entidades decidiram realizar uma Assembleia conjunta da saúde municipal, na manhã desta sexta-feira (10), sendo que o SINDSERM informou ao empregador no dia 07/03 que poderia ser deflagrada uma greve por tempo indeterminado, caso não fosse agendada reunião para acordo de devolução dos descontos indevidos. Como não houve nem resposta da FMS, a Greve da Saúde Municipal foi decretada.

Assembleia conjunta decretou início da Greve na Saúde.
Os laudos apresentados pela Fundação Municipal de Saúde (FMS), como justificativa para reduzir os salários de centenas de servidores(as), foram fornecidos após ocupação da sede do órgão na última terça-feira (07). Os documentos foram analisados pela assessoria jurídica do Sindicato dos Servidores Municipais de Teresina (SINDSERM) que não encontrou conformidade legal que justificasse a retirada do direito dos servidores.

A greve que inicia já na tarde dessa sexta-feira, abrange servidores(as) das Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centros de Assistência Psicossocial (CAPS), Consultórios na Rua, Núcleo de Apoio ao Programa de Saúde da Família, Vigilância em Saúde, Vigilância Sanitária, Vigilância Ambiental, SAMU e Zoonoses. Servidores(as) da Enfermagem decretaram estado de greve até que seja realizada Assembleia com o Sindicato que os representam a prévia comunicação ao empregador.


Comando de Greve reuniu logo após a Assembleia



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!

Afinal o que é o HP?