Sociedade volta às ruas para protestar contra o aumento da passagem e a farsa da Integração


“A volta do Indignados”,

esse é denominação dada pela sociedade para a onda de manifestações que parou o trânsito da capital durante horas na semana passada. As manifestações vieram em resposta às decisões, um tanto contestáveis, do prefeito Elmano Férrer(PTB) em realizar o aumento da tarifa, de $1,90 para $2,10, um aumento real de mais de 10%, mesmo contra a vontade da população, como também em dar início, de qualquer forma a um modelo de Integração que não atende aos interesses da sociedade.

Em uma atitude estrategicamente pensada o Prefeito Elmano em união aos empresários que ele representa, pensaram que iriam quebrar o movimento, lançando “goela a baixo” o aumento da tarifa do transporte e essa farsa da Integração ou melhor dizendo “Entregação”. Um serviço em que nem toda a população é beneficiada, serviço este que está disponível a apenas 1/3 das linhas de ônibus, e ainda a população tem que pagar a metade do valor no segundo ônibus. Sem falar da “maracutaia” do vale transporte eletrônico, que substituirá o passe de papel, e que está sendo produzido pela empresa Credishop do patrão do Elmano Férrer. Ao colocar créditos no cartão, o usuário do transporte coletivo de Teresina terá a possibilidade de também fazer compras no comércio.  

A manifestação no decorrer dos dias da semana foi ganhado corpo e o que era algumas dezenas de pessoas no primeiro dia de manifestação, dia 02 de janeiro, conseguiu atrair milhares de indignados no decorrer da semana. A concentração se iniciou todos os dias, às 9:00h na Praça do Fripisa, dali  percorrendo as ruas do centro de Teresina, passando pela sede da Prefeitura, e indo em direção à Avenida Frei Serafim, principal via de transito da capital.  

Enquanto a manifestação veio com a proposta de acontecer de forma pacífica, apenas com bandeiras, cartazes e gritos de palavras de ordem. No entanto o Governador Wilson Martins(PSB),  mandou tropa de choque da Polícia Militar, a pedido do prefeito Elmano Férrer a agredir os manifestantes,  chegando por diversas vezes a atirar balas de borracha à queima roupa, bombas de efeito moral e gás de pimenta e uso de cacetetes, além de quebrar celulares das pessoas que registravam a agressão. Vários estudantes, dentre eles menores de idade, foram presos na ultima terça-feira, dia de verdadeira corvadia da Tropa de Choque da PM. Neste dia chegou ao cúmulo do Setut enviar uma milícia privada chamada SET-SEG para agredir os manifestantes.  A assessoria jurídica do Fórum foi por diversas vezes até a Central de Flagrantes fazer o registro de Boletim de Ocorrência de manifestantes agredidos e garantir a soltura dos manifestantes que haviam sido presos. Cenas que se repetiram no quarto dia de manifestações.

O SINDSERM ajudou a garantir a estrutura necessária para a realização dos atos, como carro de som, água e outros.

Neste sentido, o Fórum Estadual em Defesa do Transporte Público está mais uma vez na vanguarda organizativa dos atos que pararam Teresina nesses últimos dias. O Fórum Estadual em Defesa do Transporte Público é um grupo formado por representantes de diversas entidades cujo objetivo é fomentar a discussão acerca da temática, como também, planejar ações políticas para dirimir o problema. Durante os cinco dias de manifestações as reuniões do Fórum aconteceram depois ao final dos atos, no mesmo local de costume, ou seja, na sede do SINDSERM. 

02 de Setembro de 2011: Dia da vitória
No ano passado, dos dias 29 de agosto a 03 de setembro, a capital do estado do Piauí presenciou cinco dias consecutivos de intensa mobilização da sociedade civil. Movimentos sociais organizados, em sua maioria estudantes, contabilizando mais de 30 mil pessoas, utilizando-se das redes sociais como forma primária de convocação, foram às ruas e conseguiram pela primeira vez na história de Teresina, fazer um gestor publico voltar atrás em uma decisão política em que a mesma era profetizada por ele como “impossível”. 

Manifestantes tomam conta das ruas de Teresina

Manifestantes tomam conta das ruas de Teresina

Manifestantes em frente ao Palácio da Cidade

Centro da Cidade

Frei Serafim

Repressão policial

"Mãos ao alto. 2,10 é um Assalto"

O Escudo do povo é e liberdade do trabalhador.

Repressão Policial

Transito para

Tropa de choque se preparando para bater em trabalhadores e estudantes

"Mãos ao alto. 2,10 é um assalto

Violência


Truculência

Intolerância
Abuso: milícia particular (Set-Seg) ajudando a polícia a reprimir
manifestantes. Há denúncias de que os milicianos até bateram
e ajudaram a capturar manifestantes



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Afinal o que é o HP?

Não existe obrigatoriedade dos 200 dias letivos para os(as) professoras que trabalham nas CMEIs.

O ATAQUE AO RECREIO; O DESCANSO DE VOZ DOS PROFESSORES, - MAIS UM GOLPE DO SECRETÁRIO (DES) EDUCAÇÃO KLÉBER MONTEZUMA AO DIREITO DOS TRABALHADORES DO MAGISTÉRIO MUNICIPAL!